Tipos de discurso: direto, indireto e indireto livre

É engraçado como nós temos a habilidade de nos esquecermos das coisas que não utilizamos no dia a dia, exemplo disso: as benditas regras de português, acho que talvez eu devesse tentar usar a norma culta ao me comunicar com as pessoas ao meu redor, dessa forma, quem sabe eu não precisasse estudar a mesma coisa de 5 em 5 meses para poder relembrar, hoje o discurso é justamente sobre os tipos de discurso.

Tipos de Discurso

De antemão, sabemos que existem 3 tipos de discurso em textos narrativos dentro da língua portuguesa, separá-los é que pode ser trabalhoso, mas depois de alguns macetes e regrinhas e muito exercício fica fácil.

Discurso Direto: O personagem fala

O que deve ser entendido é que: quando a palavra direta é usada para definir este tipo de discurso fica evidente que a ação se dá de forma ativa e não passiva, e a ação da qual falamos aqui é o ato de falar é o ato de discursar, assim sendo, podemos dizer que quando o discurso é direto, a fala do personagem é reproduzida pelo personagem e não pelo narrador, de maneira fiel e sem nenhuma conjunção integrante como “que” ou “se”. Como a fala é feita na íntegra pelo personagem do texto é necessário um verbo dicendi (verbo declarativo), o narrador anuncia a fala, verbos dicendi são dizer, falar, responder, retrucar, afirmar… dentre outros.
Travessões e parágrafos são comuns neste tipo de discurso, todavia não são obrigatórios, então se atentem a isso pois há autores que preferem o uso de aspas, normalmente o discurso direto apresenta diálogos nos seguintes tempos verbais: presente do indicativo, pretérito perfeito quando quer denotar coisa passada e quando se trata de coisa futura então o tempo verbal é o futuro do presente.

Nada melhor que alguns exemplos para entender melhor a matéria segue adiante.

Maria e José conversavam na sala sobre o ciclo reprodutório das borboletas do Afeganistão, Maria intrigada com a velocidade que estas se reproduziam olha para os olhos cor de mel de José e pergunta:
– Marido, por que elas são tão rápidas?
Ao passo que José responde:
– Não sei mulher, pergunte a elas.

Vejam agora este discurso direto onde o narrador personagem tenta um diálogo com duas moças.

“De uma feita, estava eu sentado sozinho num banco da Praça da Alfândega quando começaram a acontecer coisas incríveis no céu, lá para as bandas da Casa de Correção: havia uns tons de chá, que se foram avinhando e se transformaram nuns roxos de insuportável beleza. Insuportável, porque o sentimento de beleza tem de ser compartilhado. Quando me levantei depois de findo o espetáculo, havia umas moças conhecidas paradas à esquina da Rua da Ladeira.
– Que crepúsculo fez hoje! – disse-lhes eu, ansioso de comunicação.
– Não, não reparamos em nada – respondeu uma delas. – nós estávamos aqui esperando Cezimbra.
E depois ainda dizem que as mulheres não tem senso de abstração…”

Mário Quintana

Tipos de discurso: Discurso Indireto, o narrador fala

Neste caso o narrador fala pela personagem, por isso o termo indireto, para isto são usadas as tais conjunções integrantes “que” e “se”, este tipo de discurso é mais incomum do que o anteriormente citado, fácil de identificar, aqui também são usados verbos dicendi, mas volto a frisar o uso de termos introdutórios “que” e “se”, o autor fala pela personagem. Quando temos uma frase no discurso direto no tempo presente do indicativo passando-a para o indireto ela vai para o pretérito imperfeito, quando a frase no discurso direto fica no pretérito perfeito ela passa a pretérito mais que perfeito no indireto, e por fim quando a frase no discurso direto está no futuro do presente ela vai a futuro do pretérito no discurso indireto.

Vejamos o seguinte exemplo:

Maria e José conversavam animadamente, quando de supetão José disse que Maria era muito folgada e ela deveria se policiar para não cair no desagrado de seus companheiros de sala, ao passo que Maria retrucou que caso José não estivesse satisfeito com seu comportamento bastava se afastar e evitá-la.

No discurso direto esta mesma conversa ficaria assim.
Maria e José conversavam animadamente quando de supetão josé diz:

– Você é muito folgada e deve se policiar para não cair no desagrado de nossos companheiros de sala

Ao passo que Maria retruca:

– Caso não estiver satisfeito com meu comportamento basta se afastar de mim, evitando-me

Tipos de discurso: Discurso Indireto Livre

Este é o mais difícil de ser entendido e é preciso muita atenção para identificá-lo em uma frase, é uma mistura do indireto com o direto em algumas partes da frase nota-se que o personagem fala sem a introdução de um verbo dicendi e o narrador fala pelo personagem sem o uso de um conectivo por este motivo fica difícil a detecção, é mister observar os pronomes usados, se estiver na primeira pessoa então quem fala é a personagem se estiver na 3ª pessoa quem fala é o narrador. Este tipo de discurso revela os pensamentos do personagem, suas idéias, reflexões é uma espécie de monólogo interior.

Exemplo:

Maria estava tão triste que mal podia se agüentar de pé. Por quê, por que meu José tinha que morrer!.
No exemplo a fala de Maria não é introduzida por nenhum verbo dicendi e não há conectivos que apresentem a fala do narrador, neste caso o que está em negrito foi Maria que falou.

Outro exemplo

Carolina já não sabia o que fazer. Estava desesperada, como a fome encarrapitada. Que fome! Que faço? Mas parecia que uma luz existia…

Compartilhe com seus amigosShare on Google+Share on FacebookTweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *