Configurando a Infraestrutura de Rede Linux

Configurando a infraestrutura de rede

Assumindo que o leitor tenha baixado o VirtualBox (Programa de virtualização de sistemas) realizado sua instalação, instalado os sistemas operacionais que serão utilizados, faremos agora a configuração das placas de rede das máquinas virtuais utilizadas. Como dito no primeiro artigo desta série Clique Aqui! , estou utilizando duas máquinas virtuais com S.O debian Wheezy 7.6, um em modo texto para servidor, e outro para estação de trabalho: em modo gráfico. Neste artigo iremos configurar uma infraestrutura de Rede Linux

virtualbox servidor linux

Neste ponto faremos as configurações das placas de rede de cada uma das máquinas virtuais:

Iremos começar pela máquina virtual que irá abrigar o Servidor:

Configurando o Servidor

clique no nome da máquina virtual que irá sofrer as alterações, no meu caso: debian-server (dê o nome de sua preferência), clique no segundo ícone da barra de ferramentas (Configurações), em seguida vá até a opção Rede, feito isso, escolha o adaptador 1 e marque na select box (conectado a:), opção NAT, depois habilite o adaptador 2 e habilite a placa em modo bridge, o Servidor irá ficar conforme a imagem:

virtualbox configuração nat

a placa de rede em modo NAT será responsável pelo estabelecimento da conexão com a internet, e a placa de rede em modo bridge fará a conexão da rede interna entre as 2 máquinas virtuais existentes na nossa infraestrutura.

O modo NAT não realiza interconexão entre as máquinas virtuais, por isso utilizamos o modo Bridge para essa tarefa. O modo bridge também consegue se conectar com a Internet, mas como nosso objetivo é centralizar no servidor os serviços de rede, inclusive o serviço de conexão com a internet quem receberá a conexão com a internet será a placa de rede em modo NAT da VM debian-server
Ao iniciar a máquina virtual responsável pelo servidor é preciso dizer ao arquivo de configuração das interfaces de rede qual é a configuração desejada (Endereços IP’s), para isso, acesse o arquivo de configuração adequado através de um editor de texto, levando em conta que estamos em modo texto, iremos utilizar o editor de texto pico, o comando para acessar o arquivo que irá definir a configuração das interfaces de rede é o seguinte:

pico /etc/network/interfaces

possivelmente você irá encontrar um arquivo igual a esse:
arquivo de interfaces de rede padrão
Apague todo conteúdo, exceto as seguintes linhas:

#The loopback network interface
auto lo
iface lo inet loopback

Essas linhas são utilizadas para simular uma interface de rede utilizada para testes locais.

O meu arquivo de configuração ficou conforme segue:

#Servidor Debian Wheezy 7.6 #Interfaces auto eth0 (configurada como NAT no virtual box) iface eth0 inet dhcp auto eth1 iface eth1 inet static (configurada como bridge no virtual box) address 192.168.3.10 netmask 255.255.255.0
Você pode escolher outro endereço IP se quiser, desde que seja um endereço IP utilizado para redes locais.
As linhas que se iniciam com “#” (cerquilha) figuram no arquivo apenas para informar, o conteúdo que precede a cerquilha não é interpretado pelo sistema.

Entendendo o arquivo de configuração

auto a palavra chave auto que antecede o nome da interface de rede (auto eth0, auto eth1), tem a função de dizer ao sistema para carregar os módulos (drives) dos dispositivos de rede, o sistema irá carregar esses módulos sempre que o sistema for inicializado estando ou não conectadas as placas de rede, diferente da palavra chave allow-hotplug que somente carregará os módulos se detectar que o dispositivo físico de rede está conectado ao sistema.
iface indica que nesse ponto se inicia a configuração de uma interface de nome eth0, eth1, ethx, em seguida a cláusula inet irá especificar se a interface de rede terá seu IP atribuído por dhcp (modo transparente, automático) ou de modo static (estático).
No modo estático precisamos obrigatoriamente definir o endereço IP (address) e a máscara de subrede (netmask), a partir dessas informações o sistema automaticamente consegue deduzir a rede e o endereço de broadcast.

Observe que cada placa de rede possui uma nomenclatura, eth0 é a identificação da placa ethernet em modo NAT e eth1 é a identificação da placa ethernet em modo bridge, na primeira utilizamos o dhcp do virtual box que na prática seria o dhcp do roteador que serve a internet na rede, na segunda utilizamos um IP estático que pode inclusive ser fora da faixa de IP’s do roteador/modem já que quem irá fornecer e compartilhar a internet com as demais máquinas que porventura ingressarem na rede será a eth0.
Finalizada a configuração das interfaces de rede do servidor, é importante que façamos um teste para saber se a conexão com a internet está ativa e também verificar se os endereços de IP atribuídos realmente foram relacionados.
Para verificar o endereço das interfaces de rede execute o comando ifconfig, deverão surgir uma série de informações como a identificação da interface de rede, o endereço MAC (Media Access Control), o endereço IP, dentre outras. Verifique se o IP é o mesmo que você definiu anteriormente no arquivo interfaces.
Possivelmente, se você seguiu a risca as instruções passadas você visualizou apenas duas interfaces de rede, a auto lo (loopback) e a eth0, pois eram as que estavam no arquivo de configuração original, para que o sistema enxergue a eth1 iremos precisar subir a interface eth1, através do seguinte comando: ifup eth1

Para testar a conexão com a internet utilize o comando ping seguido de um endereço de um site qualquer. O ping deve retornar uma mensagem dizendo quantos milissegundos demorou para encontrar o endereço “pingado”. Também precisamos saber qual das duas placas de rede é responsável pela conexão com a internet, para isso utilize o seguinte comando: route e verifique qual IP assume o papel de roteador, veja que o IP é o 10.0.2.2, mesma faixa de IP da placa eth0, que inclusive está identificada na última coluna do comando route, na primeira coluna verificamos que ela é responsável pela rota default, ou seja, ela irá buscar todos os endereços de rede (internet) excetuando os endereços das outras rotas que aparecem nas linhas abaixo dela.

Configurando o cliente

Por último, a máquina virtual utilizada como cliente irá precisar de apenas uma interface de rede, que deverá ser configurada no VirtualBox em modo bridge. Inicialmente iremos configurá-la com IP estático, quando implementarmos o serviço de DHCP iremos modificar para DHCP, se você não modificar o IP, sua interface possivelmente irá pegar um IP automático na mesma faixa do seu roteador/modem e se conectará a internet através do seu modem e isso não é o que pretendemos, nosso foco é fazer com que a máquina cliente se conecte a internet passando pelo nosso servidor, portanto, configure o IP de maneira estática em uma faixa diferente do seu roteador.

logue como root para modificar o endereço de rede, ou utilize um usuário com poderes de root.

Meu arquivo de configuração ficou da seguinte forma:

#Debian Cliente Wheezy 7.6 #Interfaces auto eth0 iface eth0 inet static (configurada como bridge no virtual box) address 192.168.3.20 netmask 255.255.255.0
execute o comando ifconfig, note que o IP permanece o mesmo, para que a alteração surta efeito é necessário reiniciar o serviço de rede, faça isso através do comando: service networking reload, se mesmo assim não funcionar pare o serviço de rede modo gráfico (network-manager) através do seguinte comando: service network-manager stop execute novamente o comando que reinicia o serviço de rede baseado no arquivo interfaces service networking reload. Pronto o novo IP deverá aparecer, teste com o ifconfig.
Agora tente pingar o servidor: ping 192.168.3.10, espero que tenha funcionado!
Tente pingar um site qualquer: ping www.uol.com.br, espero que não tenha funcionado! nosso cliente agora está na mesma rede do servidor, mas está em uma rede diferente do seu roteador, para que a conexão com a internet funcione nas máquinas clientes vamos precisar criar um servidor de internet dentro da nossa máquina debian-server, assunto para nosso próximo artigo.
Compartilhe com seus amigosShare on Google+Share on FacebookTweet about this on Twitter

7 ideias sobre “Configurando a Infraestrutura de Rede Linux

  1. Pingback: Configuração de Servidores Linux | Concursos de TI

  2. Pingback: | Concursos de TI

  3. Pingback: Tutorial de instalação e testes no Squid + SARG + VirtualBox | Concursos de TI

  4. Pingback: Proxy transparente, SQUID + Iptables | Concursos de TI

  5. Pingback: Configurando um servidor de Internet Linux - Concursos de TI

  6. Pingback: Configurando um servidor de internet - Concursos de TI

  7. Pingback: Tutorial de Instalação do SQUID e SARG - Concursos de TI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *